ADRIMAG

Temos 39 visitantes em linha
Entrada
AGRIS Versão para impressão Enviar por E-mail

AGRIS sub-acção 7.1

A medida AGRIS pretende garantir a promoção e o desenvolvimento das zonas rurais, nomeadamente através da preservação e valorização de pequenos aglomerados populacionais rurais e da melhoria das condições de vida e do bem-estar da população.

No enquadramento da medida AGRIS a ADRIMAG preparou várias candidaturas à sub-acção 7.1 – Recuperação e Valorização do Património Natural, da paisagem e dos núcleos populacionais, sub-acção esta que se encontra integrada na acção 7 – Valorização do Ambiente e do Património Rural.


Os planos de intervenção elaborados, apresentados, aprovados e homologados são os seguintes:

  • PI SERRA DA FREITA, que compreende intervenções, como o próprio nome indica, na serra da Freita – concelho de Arouca e Vale de Cambra
  • PI PAIVA E MONTEMURO, que compreende intervenções nas freguesias de Alvarenga, Janarde e Espiunca – concelho de Arouca
  • PI MARGENS D´OURO, que compreende intervenções das freguesias de Raiva, Pedorido e Santa Maria de Sardoura – concelho de Castelo de Paiva
  • PI CARVALHAIS, que compreende intervenções na freguesia de Carvalhais – concelho de S. Pedro do Sul
  • PI TERRAS DE XISTO, que compreende intervenções na freguesia de Real – concelho de Castelo de Paiva
  • PI ENCOSTAS DO VOUGA, que compreende intervenções na freguesia de Couto de Esteves, concelho de Sever do Vouga
  • PI PORTAS DE MONTEMURO, que compreende intervenções no lugar de Souto de Alva, freguesia de Alva, o lugar de Carvalhal da freguesia de Mamouros e o lugar de Soutelo da freguesia de Mões.
  • PI S. CRISTÓVÃO, que compreende intervenções nos lugares do Peso, Vilar do Peso e Cádiz, da freguesia de S. Cristóvão de Nogueira.


De referir que neste momento, todos os planos se encontram encerrados em termos de execução física e financeira, com excepção do PI S. Cristóvão, que apenas encerra em Junho de 2008. Ou seja, os projectos inseridos neste plano encontram-se, durante o primeiro semestre de 2008, em execução.

Os planos de intervenção, são instrumentos operacionais de intervenção, com uma duração de três anos e que apresentam uma estimativa global de despesas nunca superior a 1.000.00 euros, para um pequeno aglomerado populacional rural (espaço territorial continuo fortemente dependente da actividade agrícola e florestal, com uma população residente igual ou inferior a 2000 habitantes), contendo a delimitação e caracterização da zona de intervenção, o diagnóstico da situação, a definição dos objectivos a atingir e as medidas e acções a realizar, a definição da estrutura de suporte pela dinamização e execução do plano e pelo seu acompanhamento e avaliação, a programação financeira e o calendário previsional de concretização e os indicadores de acompanhamento e de resultados.

A ADRIMAG é a promotora de todos estes planos de intervenção, planos estes que integram projectos de vária natureza, enquadrados nos objectivos atrás enunciados, sendo também os promotores de diferente natureza (pessoas singulares, entidades privadas sem fins lucrativos, autarquias locais). O financiamento dos projectos é diferente consoante a natureza dos promotores, variando entre os 50 e os 75% de financiamento FEOGA.

As intervenções financiadas passam pela recuperação de fachadas de edifícios de traça tradicional, recuperação de património rural de interesse colectivo; requalificação de espaços públicos, criação de zonas de lazer e espaços verdes e construção/recuperação de passagens, zonas pedonais, itinerários, muros de protecção de sinalética de locais de interesse.

Informação actualizada em 15 de Fevereiro de 2008



A ADRIMAG é a promotora de todos estes planos de intervenção, planos estes que integram projectos de vária natureza, enquadrados nos objectivos atrás enunciados, sendo também os promotores de diferente natureza (pessoas singulares, entidades privadas sem fins lucrativos, autarquias locais). O financiamento dos projectos é diferente consoante a natureza dos promotores, variando entre os 50 e os 75% de financiamento FEOGA.

As intervenções financiadas passam pela recuperação de fachadas de edifícios de traça tradicional, recuperação de património rural de interesse colectivo; requalificação de espaços públicos, criação de zonas de lazer e espaços verdes e construção/recuperação de passagens, zonas pedonais, itinerários, muros de protecção de sinalética de locais de interesse.

Informação actualizada em 15 de Fevereiro de 2008

 

 

 

Estamos em processo de adoção do novo acordo ortográfico.

Montanhas Mágicas 2020